APP Inventário Móvel Thema agiliza processo patrimonial do Tribunal de Justiça do RS

Atualizado: 30 de Nov de 2018

O inventário patrimonial se encerra nesta quarta-feira (25/10), e, neste ano, as unidades judiciárias ganharam um apoio especial na realização da tarefa: o aplicativo para celular Thema/Inventário Móvel. 



A ferramenta foi desenvolvida pela empresa Thema, com supervisão do Departamento de Material e Patrimônio (DMP) e da Direção de Tecnologia da Informação (DTIC), através dos Departamentos de Sistemas e de Produção.


O app foi testado e aprovado pela Comarca de Guaíba. Na semana passada (20/10), o Diretor de Logística do TJ, Clayton Rebello da Silva, e os servidores César Oliveira Rodrigues de Paulo, da DILOG, e Fábio Ferreira Corralo e Luiz Felipe Godoy dos Santos, do DMP, visitaram o Foro e parabenizaram as equipes pelo uso do aplicativo.


Segundo relato dos servidores, o aplicativo facilitou de maneira decisiva o demorado processo de levantamento e inclusão de dados no sistema usado até hoje.


De acordo com o servidor Nílvio Fabrício, da 2ª Vara Judicial, foi a percepção do apuro de tempo em que se encontravam e a pesada carga de serviço a ser executada que o levou a convocar os seus colegas e sugerir o uso do aplicativo, recém disponibilizado ao Judiciário.


Com o app, os bens são “lidos” por meio da câmera do celular, evitando-se demora e erros de digitação. A ferramenta também permite finalizar o processo de forma mais ágil, uma vez que evita a demora usual da rede lógica. Segundo a Oficiala Escrevente Renata, da Direção do Foro, o trabalho de levantamento em seu cartório, que antes era feito em dois dias, foi realizado em duas horas.


O aplicativo pode ser baixado da loja do Google Play, pesquisando-se o app Thema/Inventário Móvel (Tribunal de Justiça-RS). A equipe do DMP explica que apenas o processo de carregamento e descarregamento acontecem de maneira online, usando muito pouco de tramitação de dados. O levantamento (leitura dos bens) é realizado offline, de modo a usar o plano de dados da Internet de maneira a não onerar o usuário.


Esclarecem que a finalização do inventário se dá ainda no ambiente GRP (via internet) o que será alterado para que se o faça no próprio aplicativo.


Fonte: http://www.tjrs.jus.br/informativo/pub/tjrs/